Acessibilidade

VILA DO ENGENHO GANHA FORO DE ZONA FRANCA

A presença dos quatro mais importantes técnicos da Suframa, todos exercendo cargos de coordenação e gerenciamento do processo de ordenamento de incentivos fiscais, na comunidade da Vila do Engenho no dia 29 de março, não foi apenas para repetir a aula sobre o assunto que ocorreu dia 28 de março na cidade de Itacoatiara, mas para reafirmar, agoira como compromisso de que a comunidade está sob o guarda-chuva de investimentos da Zona Franca de Manaus e que seus produtos, até agora apenas agrícolas, entrarão na linha industrial, agregando valor e promovendo retorno de lucratividade.

“O abacaxi produzido aqui já é reconhecido como o melhor do Brasil, mas precisa ser cultivado em escala comercial a nível nacional e internacional anexando, deixando de ser apenas umas atividade agrícola para ser uma agroindústria e, neste caso, com os incentivos da Zona Franca de Manaus”, explicou o técnico Frederico, coordenador do comércio exterior da Suframa e chefe da comitiva da entidade na missão de Itacoatiara e Vila do Engenho.

Para os moradores, conforme depoimento dos seus líderes foi uma luz que surgiu no caminho de dificuldades enfrentadas até hoje e uma porta que se abriu para novos caminhos pavimentados por investimentos que deverão chegar.

Os investimentos futuros, baseados na analises e avaliações de custo benefício representaram o motivo da comemoração da comunidade da Vila do Engenho pois este foi o compromisso dos técnicos: apresentar o “book” de oportunidades na região e prover informações aos empresários para que tragam seu capital, inteligência e competência para o município.

Um dos que mais mostraram entusiasmo foi o prefeito Antônio Peixoto, agricultor tradicional da Vila do Engenho, no cultivo de abacaxi e o descobridor da cobertura geográfica dos incentivos nos 1.250 quilômetros dentro de Itacoatiara, observando pelo prisma do gestor, de quer “este é um momento de promover o feixe de benefícios para todos os moradores, seja pela via do emprego direto, seja pela circulação de dinheiro no município, beneficiando todos os setores produtivos desde o comercio, indústria e serviços.

“Abre-se uma página histórica na vida de Itacoatiara e a semeadura que estamos fazendo agora não tardará em dar frutos em forma do que mais desejamos que é a geração de emprego, braço social de qualquer comunidade e ferramenta construtiva da auto estima coletiva” ensinou Antônio Peixoto.

O próximo passo, no organograma de implantação da Zona Franca de Manaus, dentro de um Distrito Industrial é a convocação de empresários, consultores e investidores, através do Centro das Indústrias do Estado do Amazonas – CIEAM, Federação das Industrias – FIEAM e a alta direção da SUFRAMA para conhecer “in loco” o município e as oportunidades oferecidas.